sábado, fevereiro 01, 2014

Ser ou não ser? Eis a questão!


Afinal de contas, a moda serve para nos diferenciar um dos outros ou para nos tornar todos iguais? É claro que acreditamos com todas as forças do nosso coração fashion na primeira alternativa! Mas bem sabemos que são muitas as cascas de banana que podem nos fazer cair na segunda. Se repararmos nas pessoas que nos rodeiam no nosso cotidiano possivelmente vamos ver que a grande maioria se veste de forma comum, sem grandes ousadias. Por outro lado, quando cruzamos com aquelas "tribos fashionistas", muitas vezes chega a ser até engraçado. É tão grande a necessidade de se destacar e ser diferente de todo mundo, que sem perceber a turma acaba às vezes seguindo as mesmas receitas, as mesmas "tendências" que quando vêm se popularizar no lado de baixo do Equador já ficaram meio batidas lá em cima. E sem originalidade, sem criatividade, a gente deixa de aproveitar o que a moda pode nos oferecer de melhor. Viramos apenas um monte de "papagaios".
Por outro lado, navegando pelos principais sites que mostram o estilo das ruas pelo mundo a fora, encontramos pessoas que parecem não seguir regras, vestindo-se extravagantemente, sem medo de ousar. E aí? Será esse o caminho? Talvez uma certa dose de maximalismo seja uma forma de estimular nossa imaginação e de aprender a se divertir com a moda. Mas será que essas pessoas que saem desse jeito também não passam horas pensando numa verdadeira fantasia para vestir todos os dias? E onde fica a espontaneidade? A roupa seria então uma espécie de instrumento cênico para compormos os personagens que encenamos no nosso dia a dia?
Também. Mas acho que isso vai depender do que cada um de nós espera da moda. Se a moda é uma forma de expressão, ela vai variar de um indivíduo para o outro, porque cada um tem a sua forma, única, de se mostrar para o mundo. O mais legal é a gente vestir o que gosta. Não faz sentido todo mundo começar a usar uma calça de zebra só porque ela está em todas as vitrines. Ou começar a usar abacaxi na estampa da blusa, na sandália, no colar, na cabeça, só porque está na moda. Se não tivermos cuidado, sairemos todos fardados por aí. Mas se dermos a mesma cartela de cores para várias crianças colorirem um desenho, certamente elas nos surpreenderão com desenhos completamente diferentes, não é? O hábito de copiar o que os outros fazem surge com a insegurança. Melhor do que seguir tendências cegamente é adotar e adaptar aquelas que têm realmente a ver com a gente. Misturá-las com as outras características que compõem o nosso estilo. E não precisamos realmente ser extravagantes para sermos diferentes. Podemos ser comuns e ainda continuaremos sendo únicos e lindos.

Imagem via Pinterest

Um comentário:

Finíssimas Fashion disse...

A moda tem grande efeito sobre os dois, até porque para ser Moda tem que ser de gênero coletivo ou de grande massa, ou seja: tem que haver muitas pessoas praticando o mesmo ato para estar na Moda. Isto não somente em questão de vestuário. Moda é comportamento, é atitudes.


Bacana seu post!
Um beijo,
http://fashionfinissima.blogspot.com.br/
http://instagram.com/yaschriste